sábado, 12 de fevereiro de 2011

Motor brushless inrunner vs outrunner – comparativo – parte 2


Dando seqüência ao artigo Motor brushless inrunner vs outrunner – comparativo - parte 1, vamos ver mais algumas características e diferenças entre os motores brushless inrunner e outrunner.
O assunto agora é desempenho, rpms, torque, kvs, etc.



4)    Desempenho (Kv / RPM / Torque)
Essa é a principal e mais importante diferença entre os inrunners e outrunners. Esse é o aspecto mais relevante a ser considerado quando se vai escolher entre os tipos de construção. Por isso mesmo vou me estender um pouco mais neste item.
Outrunner: produz menor Kv / RPM, maior torque e é menos eficiente, ou seja, gira mais lento, produz mais força e aproveita menos a energia.
Inrunner: produz maior Kv / RPM, menor torque e é mais eficiente, o que significa que gira mais rápido, produz menos força e aproveita mais a energia.
Para traduzir exatamente essa diferença de características vou ilustrar a comparação com o mundo dos carros. O outrunner é um carro que anda a 30 km/h em segunda marcha e o inrunner é um carro que anda a 90 km/h em quinta marcha.
Sem qualquer alteração em suas configurações e olhando essas características de rotação e torque, podemos dizer que os motores inrunner são mais adequados a aeromodelos que são projetados para maiores velocidades usando hélices menores, tal como os pylon races ou jatos. Já os outrunners funcionam melhor em aeromodelos desenvolvidos para vôos mais lentos com mais potência usando hélices maiores, por exemplo os Slow Flyers.
No entanto é injusto com os dois tipos de construção fazer uma comparação nessas condições, são aplicações bem distintas. E aí que entra um fator muito importante nessa história toda, podemos trocar o câmbio do carro que anda em quinta marcha, o inrunner, fazendo-o andar também em segunda marcha como o outrunner, e aí é possível fazer outras comparações que veremos mais adiante.
Mas primeiro vamos entender o que é trocar o câmbio do inrunner.
Caixa de redução
É um mecanismo com várias engrenagens também chamado gearbox (em inglês) que se acopla entre o motor e a hélice.



Voltemos ao nosso carro, como é a caixa de câmbio por dentro? Basicamente é um conjunto de engrenagens de vários tamanhos acopladas entre si que mudam a rotação produzida pelo motor, cada marcha usa uma configuração (relação) diferente de engrenagens e obviamente proporciona uma rotação diferente. 

No caso da caixa de redução é exatamente a mesma coisa, o único porém é que não há várias marchas, define-se apenas um conjunto de engrenagens que produz uma determinada redução na rotação. Na prática isso significa que não se pode com uma mesma configuração de engrenagens reduzir da quinta para a quarta marcha, depois para a terceira, depois para a segunda. Cada configuração dá direito a apenas uma marcha, a quarta ou a terceira ou a segunda, é necessário definir qual a melhor redução a ser utilizada para que o aeromodelo se comporte da forma para a qual foi projetado.
Agora que conhecemos a caixa de redução, a partir deste trecho, todas as comparações serão feitas considerando o motor brushless inrunner com redução.
5)    Flexibilidade
Esse é o primeiro aspecto que pode-se avaliar decorrente da possibilidade de instalação de uma redução no inrunner.
Outrunner: suas características são fixas, permitindo poucas variações no tipo de hélice utilizada e no tipo de aeromodelo ou vôo em que se pretende usar o motor.
Inrunner: com as configurações originais é utilizado em modelos rápidos com hélices pequenas produzindo pouca força com alta eficiência. Com a instalação de uma caixa de redução muda-se completamente o perfil do motor podendo ser utilizado praticamente nas mesmas aplicações do outrunner com hélices maiores, vôos mais lentos e com mais força.
Parece que o inrunner é um motor dois em um, é quase isso, mas deve-se considerar que você precisa comprar uma caixa de redução e que é necessário trocar tudo isso ao levar o motor de um aeromodelo para outro com características diferentes.
Já o outrunner não necessita de redução pois tem o torque alto naturalmente, mas não pode ser configurado para vôos mais rápidos.

Continua => Clique aqui para ler a continuação

Comente o que achou deste artigo.

Leia a primeira parte do artigo:
Motor brushless inrunner vs outrunner – comparativo - parte 1

Leia a segunda parte do artigo:
Motor brushless inrunner vs outrunner – comparativo – parte 2


Leia a terceira e última parte do artigo:
Motor brushless inrunner vs outrunner – comparativo – parte 3


Tips RC - Copyright (c) 2011 - Todos os direitos reservados.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente este artigo, todos comentários são bem-vindos.
Leia nossa política de comentários.